Resenha: 1984 - George Orwell


Editora: Companhia das Letras
Ano: 2009
Páginas: 416
Tradutor: Heloisa Jahn, Alexandre Hubner
SARAIVA - FNAC - PONTO FRIO

"1984" não é apenas mais um livro sobre política, mas uma metáfora do mundo que estamos inexoravelmente construindo. Invasão de privacidade, avanços tecnológicos que propiciam o controle total dos indivíduos, destruição ou manipulação da memória histórica dos povos e guerras para assegurar a paz já fazem parte da realidade. Se essa realidade caminhar para o cenário antevisto em 1984 , o indivíduo não terá qualquer defesa. Aí reside a importância de se ler Orwell, porque seus escritos são capazes de alertar as gerações presentes e futuras do perigo que correm e de mobilizá-las pela humanização do mundo.

Classificação:    


Precisei ler 1984  de autoria de George Orwell para a faculdade e aproveitei a leitura para fazer uma resenha aqui para o blog. Acredito que o livro é interessante para ver o conceito de futuro que Orwell tinha quando o livro foi publicado em sua primeira edição, pois em 1949 o ano de 1984 era um futuro distante. Apesar de apresentar um mundo distópico em que as pessoas eram controladas 24 horas por dia devido às Teletelas e os microfones espalhados por toda a sua casa e espaços públicos, podemos notar uma semelhança com o mundo atual, uma vez que a tecnologia é dominante e isto causa o fim da vida privada. 

Neste mundo descrito por Orwell o protagonista Winston Smith é funcionário de um dos Ministérios que coordenam a população, porém seu trabalho é nada menos que alterar  o passado. Como assim? Todos os dias Smith recebe uma série de recados para acessar as publicações feitas em revistas e jornais e de acordo com o que lhe é passado deverá fazer as devidas alterações para que no presente estejam de acordo com o que é ditado pelo Partido e seu representante o Grande Irmão. Porém estas alterações não são feitas apenas nos discursos, mas sim em todos os campos, por exemplo, se uma pessoa trai o Partido e é descoberta ( estas traições podem ser apenas em pensamento) o governo a vaporiza, ou seja, faz com que ela desapareça e todos os registros de sua existência são apagados.

" O mais horrível dos Dois minutos de ódio não era o fato de a pessoa ser obrigada a desempenhar um papel, mas de ser impossível manter-se à margem. Depois de trinta segundos, já não era preciso fingir. Um êxtase horrendo de medo e sentimento de vingança, um desejo de matar, de torturar, de afundar rostos com uma marreta, parecia circular pela plateia inteira como uma corrente elétrica, transformando as pessoas, mesmo contra sua vontade, em malucos a berrar, rostos deformados pela fúria." Página 25

Para controlar a população o Partido faz com que as pessoas realizem os Dois Minutos de Ódio que é feito contra Goldstein o principal personagem que é apontado sendo contrário às ideias do Partido e do Grande Irmão. Então constantemente são realizados eventos para ridicularizar a imagem de GoldStein e suas ideias. 


" - Você não vê que a verdadeira finalidade da Novafala é estreitar o âmbito do pensamento? No fim teremos tornado o pensamento-crime literalmente impossível, já que não haverá palavras para expressá-lo. Todo conceito de que pudermos necessitar será expresso por apenas uma palavra, com significado rigidamente definido, e todos os seus significados subsidiários serão eliminados e esquecidos." Páginas 68 e 69

O Idioma nos países da Oceania é NovaFala e está bastante sintetizado para que com isso as pessoas não tenham margem para pensar coisas contra os governantes, sendo assim a alienação é ampliada e o pensamento individual é oprimido. A divisão que Orwell faz no mundo é composta por três grandes blocos de países que são ordenados por Eurásia, Lestásia e Oceania e desde que Winston se entende por gente os três países sempre estavam em conflitos pelo domínio do poder. 


" O passado não apenas mudava como mudava sem cessar. O que mais o afligia, o que lhe dava uma sensação de pesadelo, era nunca ter chegado a entender direito por que a grande impostura fora empreendida. As vantagens imediatas de falsificar o passado eram óbvias, mas a razão profunda era misteriosa." Página 99

Conforme a leitura vai se adiantando Winston tem um maior contato com Julia, sua colega de trabalho, o que era condenado pelo Partido porque as pessoas deveriam ter um único propósito em vida: amar o Grande Irmão. Os casamentos eram feitos apenas com a finalidade de procriação o que era passado para as mulheres como sendo seu dever para com o Partido, então qualquer envolvimento amoroso era oprimido. Porém com a aproximação com Julia, Winston começa a ter sentimentos amorosos pela garota e acabam se envolvendo. 

" Os dois objetivos do Partido são: primeiro, conquistar toda a superfície da Terra; segundo, extinguir de uma vez por todas a possibilidade de pensamento independente" Página 229


Esta aproximação entre Julia e Winston acaba gerando problema para ambos e então os dois precisam se unir e lutar contra o que é pregado pelo Grande Irmão. Para isso contam com a ajuda de um colega de trabalho, porém nem tudo é o que parece ser. A narração é bastante fluida e quando você percebe o livro já acabou, achei interessante conferir o que as pessoas na década de 50 percebiam como sendo o futuro, apesar de este futuro descrito por Orwell se aproximar bastante do que vivemos atualmente. Como leitora achei que o final da obra deixou a desejar porque tudo acontece muito rápido e ficam muitas informações nas entrelinhas, porém para você que quer conhecer um pouco mais sobre este mundo distópico em que Julia e Winston lutam contra o Partido é super indicado. 



"Até a Igreja Católica da Idade Média era tolerante se comparada aos parâmetros modernos. Em parte, a razão disso era que no passado nenhum governo conseguia manter seus cidadãos completamente sob controle. A invenção da imprensa, contudo, facilitara a tarefa de manipular a opinião pública, e o cinema e o rádio aprofundaram o processo. Com o desenvolvimento da televisão e o avanço técnico que possibilitou a recepção e a transmissão simultâneas por intermédio do mesmo aparelho, a vida privada chegou ao fim." Página 242

10 comentários:

  1. Sempre tive vontade de ler 1984 e a resenha aumentou ainda mais essa vontade!

    ResponderExcluir
  2. Parece ser bem interessante!

    Beijinhos,
    Lia ¨
    www.limaoealecrim.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Já vi muito pensamento e escritos de autores mais antigos que se tornaram realidade. Na época, eram chamados de fantasia, que o autor estava imaginando coisas, mas um bom observador detecta mudanças sutis e procura alertar sobre o que pode acontecer. Creio que esse livro seja assim. quem sabe o que virá? Quero ler o livro e me inteirar sobre o pensamento de George Orwell.

    ResponderExcluir
  4. Esse livro é clássico que sempre tive vontade de ler. Acho muito interessante o conceite de futuro de de filmes e livros antigos, alguns parecem absurdos, mas muitos mostram um toque da realidade atual.

    ResponderExcluir
  5. Ainda não li este livro mas tenho muita vontade.
    É um clássico e toda vez fico querendo colocar ele no carrinho de compras, rs. Ah, tem tantos clássicos que desejo =( Pena que o preço não ajuda muito.

    ResponderExcluir
  6. Já ouvi falar muito desse livro, mas ainda não tive a oportunidade de lê-lo.
    A história parece ser bem interessante.
    O fato de também ser a visão do autor de como seria 1984 e sabermos que não foi assim, mas que talvez se aproxime do que estamos vivendo agora.
    Gostei da resenha.
    Mais do que nunca acho que preciso ler esse livro.

    http://lisos-somos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Eu nunca tive muita.vontade de ler esse livro. Apesar de ter gostado da resenha, ainda assim não estou muito animada com o livro, talvez por ser político, mas quem sabe num outro momento a leitura me atraía.

    ResponderExcluir
  8. Eu pensava que era um livro sobre a ditadura, que vergonha :x
    Mas parece que tem alguma coisa haver, e eu gosto disso.
    Quero muito ler.

    ResponderExcluir
  9. Estou com uma expectativa muito boa quanto a esse livro.
    Quero muito poder lê-lo e tirar as minhas conclusões. Só mais uma coisinha: que onda o nome do idioma da Oceania, NovaFala kkkk

    ResponderExcluir
  10. Me falaram super bem desse livro, que ele era tipo top, fiquei na vontade de ler *-*

    @BabiStephane

    ResponderExcluir

Quer deixar uma dica ou sugestão? Comente e me deixe feliz.

Para que eu possa visitar seu blog deixe um comentário com o nome do blog e eu entrarei em seu perfil. Ou use a opção Nome/URL. Por favor não coloquem links nos comentários porque o blogger considera como spam.

Agradeço a visita!