Resenha: Ilha de Vidro - Nora Roberts

Editora: Arqueiro
Ano: 2018
Páginas: 288

Nerezza, a deusa da escuridão, ainda não desistiu de obter as Estrelas da Sorte e destruir todos os mundos. As Estrelas de Fogo e de Água já foram recuperadas pelos seis guardiões, mas resta a Estrela de Gelo, e a batalha atingirá seu clímax.
Doyle McCleary, o espadachim imortal, prometeu nunca mais voltar para casa. No entanto, quando a procura pela última estrela o leva ao condado de Clare, na Irlanda, ele deve encarar o passado. Três séculos atrás, uma tragédia o obrigou a fechar o coração para o amor, sobrando em seu peito apenas morte e solidão. Sua natureza selvagem só não é mais intensa que a de Riley... e da loba que há dentro dela. 
Arqueóloga e licantropa, a Dra. Riley Gwin não se rebaixa a ninguém. Fechada em sua biblioteca, em busca da misteriosa Ilha de Vidro, ela tenta negar a forte atração que sente por Doyle. Afinal, a última coisa de que precisa é uma distração. 
À medida que o último desafio dos guardiões se aproxima, a loba e o imortal têm que unir forças pela vida de seus amigos. Com Nerezza recuperada e furiosa, os dois vão descobrir que a melhor arma para dar fim à escuridão talvez seja o amor.



Classificação:       




"Fomos colocados nesse rumo, todos nós. Fomos unidos para um objetivo: encontrar e devolver as estrelas, salvar os mundos. Estamos quase lá. Acredito que podemos fazer isso. Acho que podemos completar a busca. Só que depois, Doyle, ninguém sabe se viveremos felizes para sempre. Ninguém sabe se estamos destinados a matar a deusa da escuridão e fazer a dancinha da vitória." Página 48



Ilha de Vidro é o livro que encerra a trilogia Os Guardiões, de Nora Roberts, e foi publicado no Brasil pela Editora Arqueiro. Apesar de ser fã da autora, não havia tido uma experiência com seus livros de fantasia antes dessa trilogia e confesso que me surpreendi. Os Guardiões reúne tudo o que uma boa leitura pede: romance, descobertas, batalhas e bons personagens. 

Em Estrelas da Sorte fomos apresentados à história destes seis estranhos cujo destino os aproximou para salvarem as estrelas e o mundo do caos. Já em Baía dos Suspiros os segredos foram sendo revelados e os seis guardiões entenderam o propósito de suas vidas. Já em Ilha de Vidro os personagens são levados a entender como foram escolhidos, qual a sua linhagem e como estão conectados às deusas que criaram as estrelas. 

O terceiro volume é focado em Doyle e Riley, o único casal ainda não formado no sexteto, mas que ao longo do tempo decidem se relacionar deixando os sentimentos de lado, porém logo este arranjo ficará complicado. Doyle precisa encarar a cidade em que morou com sua família há séculos, e que agora é propriedade de Bran, além de focar na batalha contra Nerezza e ajudar na preparação física de seus amigos. Riley, com a ajuda de seus contatos espalhados pelo mundo, consegue munição e algumas informações sobre a história do local, conta com a biblioteca de Bran para procurar a possível localização da terceira estrela e assim salvar o mundo da maldade de Nerezza.

Por sua vez, a grande vilã da história está se recuperando da última batalha e passa o livro inteiro observando os guardiões de longe, para, enfim, atacá-los quando estiverem mais vulneráveis. A deusa conta com a ajuda de Malmon, porém à medida que os guardiões vão encontrando forças para lutar, o destino de Nerezza vai sendo definido e seu reinado estará ameaçado. 




"- O homem que você é basta. Estamos aqui, os seis, até certo ponto levados pelos ventos do destino. Acredito que também por todos os passos que demos e todas as escolhas que fizemos." Página 184



Ilha de Vidro acabou se tornando o meu livro favorito da trilogia já que concluiu a história de forma primorosa, além de ser focado em meus personagens favoritos da história. É fantástico ver o quanto evoluíram ao longo da busca pelas estrelas e as frequentes batalhas contra Nerezza e seus submissos. Riley é a personagem com que mais me identifiquei e acompanhar toda a sua mudança de uma mulher independente e autossuficiente para uma jovem apaixonada disposta a tudo para proteger seus amigos, sem perder a sua essência, foi algo positivo, além de tornar a leitura ainda mais interessante. 

Nora Roberts é uma das autoras que mais gosto e agora irei atrás dos livros de fantasia, pois fiquei interessada em conferir mais obras deste gênero de sua autoria, e estou bem feliz de ter me apaixonado por essa série e dar uma oportunidade aos outros gêneros escritos pela autora. Sobre a edição só tenho elogios, a capa é linda e mantém a essência da história, a diagramação está boa, capítulos não muito extensos e com divisões que facilitam a leitura, a revisão deixou passar alguns errinhos, mas nada que desqualifique o trabalho maravilhoso da editora. Se você ainda não conhece a história de Sasha, Bran, Annika, Sawyer, Riley e Doyle, não perca tempo e inicie a leitura logo, pois não irá se arrepender.



"De qualquer maneira, eles enfrentariam uma batalha. E ela estava mais do que pronta. Tentou não pensar muito sobre isso nem se aprofundar nos próprios sentimentos. Isso estava longe de ser uma prioridade agora, lembrou a si mesma. O que ambos sentiam não estava acima do destino dos mundos." Página 191



15 anos da Editora Intrínseca


Olá, leitores.

Amanhã, 10 de dezembro, a Editora Intrínseca está completando 15 anos e para comemorar o dia em grande estilo haverá o Alô, Intrínseca. O pessoal da editora fará duas lives no Instagram (uma às 12h e outra às 20h) e para participar vocês deverão preencher o formulário e torcer para serem os sortudos que receberão a ligação durante a transmissão e, é claro, atender ao telefonema falando: Alô, Intrínseca! - então serão feitas perguntas sobre a história da editora, seus livros e autores e quanto mais você acertar, mais brindes irá faturar.



E é em clima de festa que resolvi fazer essa postagem para relembrar os momentos maravilhosos que passei junto da editora ao longo desses 11 anos que a acompanho e os 5 anos que tenho maior contato, como parceira. Como mencionei na primeira postagem da Semana Especial A menina que Roubava livros, foi com esse título que iniciei minha vida literária e sou muito grata por isso, já que passei da menina que não conseguia ler um capítulo para uma leitora voraz. 

É claro que nestes cinco anos como parceira tive a oportunidade de acompanhar os lançamentos de pertinho, participar da Bienal de 2014 e conhecer o pessoal da editora, além de participar de algumas pré-estreias em Curitiba e duas Turnês Intrínseca e, em uma delas, ajudar o pessoal na organização. 



Já li muitos livros maravilhosos da Editora Intrínseca, mas os que irei deixar a seguir foram os que mais me cativaram e gostaria de dividir com vocês. A lista de favoritos de 2018 foi feita em outra postagem, nesta irei deixar os livros que mais me conquistaram ao longo dos anos que acompanho a editora:






Infelizmente, o blog começou bem depois que fiz a leitura de A Menina que Roubava Livros, então não tenho a obra resenhada, porém vocês poderão conferir as postagens sobre o livro na Semana Especial.







"Já ouvi dizer que as pessoas encantadoras, poderosas, têm o dom de nos fazer sentir como se fôssemos a única criatura no mundo, e agora sei exatamente o que isso significa. Não sei bem o que ela faz, ou como faz - outra pessoa teria parecido excessivamente ávida, até obsequiosa -, mas, quando Alice me dá atenção dessa maneira, eu me sinto radiante, reconfortada pela certeza de ser plenamente compreendida."

  


"O que estou querendo dizer é: talvez você possa se dar ao luxo de esperar. Talvez para você haja um amanhã. Talvez para você haja mil amanhãs, ou três mil, ou dez, tanto tempo, que você possa se banhar nele, deixar rolar, deixá-lo cair como moedas entre os dedos. Tanto tempo que você possa desperdiçá-lo.
Mas, para alguns de nós, só existe o hoje. E a verdade é que nunca se sabe quando chegará a sua vez."







"Eu queria dizer a ela que estava melhorando, porque essa é a narrativa esperada quando se trata de doenças: um obstáculo que você superou, uma batalha que venceu. Doença é uma história contada no pretérito."






"Mas a verdade é que Rose quer ficar sob os holofotes porque tem medo do escuro.
Ela quer todas as atenções, porque tem medo de ficar sozinha. 
E é por isso que nunca posso me apaixonar pela Rose.
E é por isso que a expressão no seu rosto, quando ela mentiu para mim hoje a respeito daquela mensagem de texto, me deixou com muito medo por ela. Rose não aguentaria ser ferida de novo."





"Porque foi isso que eu percebi morando em Folgate Street, nº1. Você pode tornar o ambiente em que vive tão refinado e vazio quanto quiser. Mas isso não importa se você ainda estiver bagunçado por dentro. E, na verdade, todos nós estamos buscando isso, não é mesmo? Alguém que cuide da bagunça que há dentro da nossa cabeça."






"Em Silver Bay, eu tinha grande consciência da minha visibilidade. Mesmo de camiseta e calça jeans, era como se a falta de sal no corpo deixasse minhas intenções transparecer. E, considerando o quanto a área era deserta, de algum modo parecia habitada demais, muito influenciada por sua população. Era uma nova experiência para mim, mas, por algum motivo, eu não conseguia enxergar com clareza."

Natal com a Intrínseca

Olá, leitores.


Já estamos em dezembro e agora é a hora de fazer uma retrospectiva dos melhores livros de 2018, já fiz a indicação de leituras da Arqueiro e agora farei da nossa parceira Intrínseca. Li muitos livros ótimos, na maioria thrillers, mas tentei trazer opções para todos os tipos de leitores e estes foram os livros que mais se destacaram (e tiveram classificação 5) durante esse ano. Espero que gostem e me contem quais livros já leram e indicam para os leitores do blog.






"Manipulação. Dominação. Controle. Essas são as três palavras às quais devemos prestar atenção quando estamos lidando com criminosos em série violentos. Tudo o que eles fazem e pensam tem por objetivo ajudá-los a preencher suas vidas desajustadas."







"Preciso dizer que, naquela manhã, andar pelos corredores a caminho dos armários foi incrível. Tudo estava diferente. Eu estava diferente. Normalmente eu andava de cabeça baixa, tentando não ser visto, mas nesse dia andei de cabeça erguida, olhando em volta. Queria ser visto."








"Minha vida havia se tornado uma coisa ridícula, uma piada ruim passando em looping. Esfreguei os olhos, sentindo a chuva gelada na pele. Ia marcar minha passagem naquela noite e voltaria para casa no próximo voo. Ia engolir o choro e recomeçar. Eu não tinha escolha.
Tudo tem seu tempo."


"Acho que estou ficando meio cansado de tudo. Estou tentando não deixar que me afete. Eu não devia ligar se pessoas idiotas me chamam de uma palavra idiota e não devia ligar para o que as pessoas pensam de mim. Mas sempre ligo."






"E a lista secreta de sintomas, no papel laranja que os professores dobraram e grampearam antes de enviar para os pais, que foi exibida centenas de vezes no noticiário, recitada enquanto o rosto das vítimas passava na tela? Aquilo era medo. Não pelas crianças que corriam risco de vida, ou pelo vazio que as muitas vítimas já deixaram.

Era medo de nós... Os que sobreviveram."




[Top Comentarista de Dezembro]

Olá, leitores.

Para encerrar esse ano com chave de ouro, o top comentarista de dezembro levará para casa três livros de uma vez só. Como fiquei sem fazer a promoção nos últimos meses, resolvi fazer um sorteio bem especial nesse último mês de 2018. Os livros escolhidos foram:


  • Todas as coisas belas
  • Depois da Tempestade
  • Uma casa no fundo de um lago



  • Para concorrer basta deixar um comentário nessa postagem e comentar nas postagens do blog. O sorteio será como o que foi realizado anteriormente, não será necessário comentar em todas as postagens, mas a cada comentário é uma chance a mais de ganhar.

    Fique atento às regras:


    • Deixar um comentário nesta postagem com seu nome completo e e-mail para contato.
    • As postagens de promoções não serão válidas para o Top Comentarista.
    • Será contabilizado apenas um comentário por postagem.
    • O ganhador deverá ter endereço de entrega no Brasil.
    • A promoção é válida de 01/12/2018 a 31/12/2018 e os comentários deverão ser feitos até a data estipulada para o último dia da promoção e apenas em postagens publicadas entre estas datas. Lembrem-se de comentar algo RELEVANTE e que mostre que você leu a postagem.
    • O vencedor deverá responder o e-mail enviado pelo blog em até 4 dias. Caso não o faça, o sorteio será refeito. 
    • O prêmio será enviado pelo blog em até 45 dias contados a partir da resposta do vencedor. Em caso de atrasos o vencedor será informado.



    [Promoção Natal Literário]

    Final de ano é uma época boa, não é? Como já é tradição, para comemorar o ano que passamos juntos, nada melhor que um sorteio super recheado! O Natal Literário acontece desde 2016 e neste terceiro ano conseguimos reunir mais de 40 blogueiros e bookstagrammers. Nós pensamos nos prêmios com muito carinho e esperamos que gostem do que preparamos para vocês! Preparados?


    Natal com a Arqueiro

    Olá, leitores.

    Como já estamos chegando no Natal, vim indicar alguns livros da Editora Arqueiro que são ótimas opções para presentar nessa data especial. 

    Para os amantes de Thrillers, as indicações são BONECO DE PANO e A MULHER NA JANELA. 


    "De seis partes que compunham o Boneco, apenas uma permanecia sem identificação. Embora nenhuma das outras pessoas envolvidas no julgamento constassem na lista de desaparecidos, Simmons agora podia jurar que o nome da sexta vítima estava bem ali naquela folha de papel, encarando-o de volta." 







    "Se tem uma coisa que aprendi na minha experiência clínica com crianças e adolescentes é que eles são extraordinariamente resilientes. São capazes de sobreviver a quase tudo: à negligência, à carência afetiva, a abusos de todo tipo. São capazes de enfrentar situações nas quais os pais desabariam feito um castelo de cartas. Por vezes saem até mais fortalecidos dessas mesmas situações. É isso que desejo a Ethan: resiliência. Porque ele vai precisar."




    Já as indicações para quem curte romances são: DOIS A DOIS, série AS SETE IRMÃS e DANÇANDO SOBRE CACOS DE VIDRO.


    "Quando você começa a tentar entender o que deu errado ou, mais especificamente, onde você errou, é mais ou menos como descascar uma cebola. Há sempre outra camada, outro erro do passado ou uma lembrança dolorosa que surge e então conduz ainda mais para o passado, e ainda mais, em busca da verdade definitiva. Cheguei ao ponto em que parei de tentar entender: agora, a única coisa que de fato importa é aprender o suficiente para evitar os mesmos erros."





    "A verdade é que eu tinha mais medo do que qualquer uma delas. Enquanto todas as minhas irmãs tinham criado asas e deixado  o ninho, eu havia ficado, escondendo-me por trás da necessidade da minha presença quando Pa começou a envelhecer. Isso além da desculpa de que combinava perfeitamente com a carreira que eu escolhera, que era bastante solitária."





    "Confiei cegamente nele e suas palavras ficaram comigo e se cristalizaram na minha alma adulta. Claro que me dou conta de que elas foram apenas uma dádiva concedida à minha inocência; segurança para tranquilizar uma garotinha que não conseguia dormir. Quem diria, porém, que a calma que ele me infundiu me ajudaria a superar muitas perdas e seria capaz de me confortar quando quase perdi a mim mesma?" 



    Resenha: Instinto - Tara Moss

    Editora: Fundamento
    Ano: 2014
    Páginas: 392

    Ela é linda, modelo internacional, estudante de Psicologia Forense. Mas tem um passado que prefere deixar para trás. Mak gostaria de esquecer que teve sua melhor amiga assassinada por um maníaco e que por pouco também não foi vítima desse homem. Mesmo assim, ela não consegue deixar de lado sua atração por mistérios e situações incomuns. Por isso, seu novo emprego de detetive particular combina perfeitamente com sua personalidade curiosa e destemida. Enquanto tenta equilibrar trabalho com relacionamento pessoal, a bela recebe uma missão: investigar o homicídio de uma mulher atraente e com um passado duvidoso. Mak então descobre coisas assustadoras: talvez o principal suspeito da morte não seja o culpado e esse crime pode estar ligado a um assassinato ainda mais bárbaro, que envolve figuras célebres da alta sociedade de Sydney. E seus esforços para desvendar o caso vão chamar a atenção de gente perigosa, que usará toda a influência possível e métodos violentos para impedir que Mak descubra a verdade. A morte volta a rondar a corajosa estudante. Será que Mak conseguirá escapar de uma trama repleta de perigos, fetiches, mentiras e surpresas estarrecedoras? Descubra Instinto, uma história cheia de ação, suspense e adrenalina que vai seduzi-lo. 

    Classificação:     



    "Confusa e atônita, Mak ainda ficou sentada onde estava por meia hora, olhando para o recorte amassado de jornal que Amy tinha deixado para trás e desejando que ela voltasse.
    Mas ela não voltou.
    Merda. Eu cheguei tão perto... E estraguei tudo." Página 251


    Instinto é o quarto livro da série Makedde, de autoria de Tara Moss e publicado no Brasil pela Editora Fundamento. Assim que finalizei a leitura de Cobiça, já engatei a leitura de Instinto porque queria continuar acompanhando a vida de Makedde e Andy depois de terem feito justiça para as vítimas do Assassino do Salto Alto. 

    Neste volume, um ano e meio depois do julgamento, Makedde está morando com Andy em Sydney, conseguiu um trabalho como investigadora particular e abandonou definitivamente a carreira de modelo para focar em sua área de formação. Andy está com uma viagem marcada para Quântico já que o departamento de criminal profiling que irá chefiar está tomando forma e é preciso treinar com os melhores.

    Enquanto isso, Makedde recebe um trabalho que irá lhe render bastante dinheiro, porém envolve pessoas influentes e isso será um problema. Uma jovem foi assassinada e seu chefe contrata os serviços de investigação particular e Makedde é designada para o trabalho, ao visitar a família da jovem, Mak percebe que a polícia pode ter prendido a pessoa errada e muita sujeira ainda pode ser desenterrada por causa desse crime.  

    Enquanto isso,  Jack Cavanagh tenta encobrir o envolvimento de seu filho em um crime, já que o melhor amigo de Damien ficou responsável por isso e falhou. Agora, está correndo contra o tempo para limpar a barra do filho e não perder grandes contratos por causa de seu envolvimento neste escândalo. Com a investigação, Makedde chega ao nome de Simon Ashton e sua busca começa a ficar mais perigosa, já que a família Cavanagh está disposta a eliminar todos os envolvidos que podem trazer problemas à sua reputação. 

    Instinto é um livro envolvente do início ao final e confesso que o desfecho da história me surpreendeu, espero que a editora lance logo os outros livros da série para descobrir como tudo termina. Makedde é uma protagonista que já passou por várias situações complicadas e mesmo assim continua firme em sua vocação para psicóloga forense. Andy está um pouco distante neste livro e acaba não fazendo muita falta para a história, já que Mak está empenhada em descobrir o que aconteceu com Meaghan e conta com a ajuda de Loulou, sua melhor amiga, e Bogey, um conhecido dela.

    A edição está ótima, a capa é chamativa e combina com o enredo do livro, a diagramação mantêm o padrão da série, capítulos curtos, letras em bom tamanho e a revisão está boa, o que contribui para tornar a leitura fluida, além da escrita de Tara Moss que não se torna cansativa, mas sim instiga o leitor a ler o máximo possível para desvendar os crimes junto de Makedde Vanderwall.  Sou suspeita em falar já que amo a área pericial e investigação forense, mas a série Makedde se tornou a minha favorita deste gênero e indico para todos os que assim como eu pretendem trabalhar na área. 


    "Era verdade: tinha mesmo orgulho dele. E talvez de si mesma também. Mak não sabia bem para onde as coisas estavam se encaminhando, mas estava disposta a viver o momento e aproveitar as oportunidades que surgissem. As coisas se ajeitariam naturalmente." Página 385




    [Semana Especial A menina que roubava livros] Dia 3

    Olá, leitores.


    No terceiro dia da Semana Especial A menina que roubava livros, o tema é: Livros sobre crianças e a guerra. Confesso que não li muitos livros com essa temática, porém já resenhei alguns aqui no blog como vocês poderão ver a seguir.



    Uma história que ultrapassou todas as barreiras e preconceitos religiosos e ideológicos em nome do amor. Aqueles que nos salvaram conta a história de Anna, uma jovem de 18 anos com um futuro promissor aos olhos do pai, um simpatizante nazista: casar-se e ter filhos com um oficial alemão. Ao se apaixonar por um médico judeu, no entanto, sua vida muda completamente. Revelando uma história de paixão e amor condenado, um retrato sobre a vida durante a guerra e um impressionante drama da relação mãe e filha, o livro explora profundamente aquilo que escolhemos suportar ou resistir para sobreviver e o legado da culpa. O romance, narrado de forma envolvente pela autora, Jenna Blum, permaneceu na lista dos mais vendidos do New York Times durante um ano.




    Helen Lewis, jovem estudante de dança em Praga durante a eclosão da II Guerra Mundial, é levada para o gueto de Terezín e, depois, deportada para Auschwitz. Separada da família, ela vive em meio à carnificina da Solução Final de Hitler. Como e o que fez para sobreviver é uma história emocionante, contada com humor, franqueza e alguma raiva, mas sem dar espaço para a autocomiseração. Em É Hora de Falar, Helen mapeia as profundezas do Inferno, arrebatando-nos com uma obra de arte irrepreensível. Ao nos guiar por um terreno repleto de pesadelos apavorantes, ela não pisa em falso. Seu tom permanece sereno; seu estilo, simples. Mas essa forma de expressão esconde o martírio de sua necessidade de recordar.










    Bruno tem nove anos e não sabe nada sobre o Holocausto e a Solução Final contra os judeus. Também não faz idéia que seu país está em guerra com boa parte da Europa, e muito menos que sua família está envolvida no conflito. Na verdade, Bruno sabe apenas que foi obrigado a abandonar a espaçosa casa em que vivia em Berlim e a mudar-se para uma região desolada, onde ele não tem ninguém para brincar nem nada para fazer. Da janela do quarto, Bruno pode ver uma cerca, e para além dela centenas de pessoas de pijama, que sempre o deixam com frio na barriga.


    Em uma de suas andanças Bruno conhece Shmuel, um garoto do outro lado da cerca que curiosamente nasceu no mesmo dia que ele. Conforme a amizade dos dois se intensifica, Bruno vai aos poucos tentando elucidar o mistério que ronda as atividades de seu pai. O menino do pijama listrado é uma fábula sobre amizade em tempos de guerra, e sobre o que acontece quando a inocência é colocada diante de um monstro terrível e inimaginável.



    Resenha: Cobiça - Tara Moss

    Editora: Fundamento
    Ano: 2011
    Páginas: 344
    Ela é linda, modelo internacional, estudante de Psicologia Forense. E tem um passado que prefere deixar para trás.
    Um ano e meio se passou desde que Makedde Vanderwall foi a única entre nove mulheres a escapar de um serial killer na Austrália. Mas, ainda que a jovem queira esquecer o que houve, as recordações continuam a assombrá-la. Principalmente quando ela retorna àquele país para testemunhar no julgamento do "Assassino do Salto Alto". 
    Após o veredito, Mak acredita que a justiça foi feita e que a história terminou para sempre. No entanto, algo impensável acontece - com a ajuda de um cúmplice de quem ninguém poderia suspeitar, o maníaco está de volta às ruas, disposto a tudo para não deixar que a bela modelo lhe escape mais uma vez.
    Aterrorizada, Makedde ignora o conselho de seu ex-namorado, o detetive Andy Flynn, e deixa a Austrália. Ela só não conta com o assédio da mídia, que compromete a segurança dela e acaba revelando seu paradeiro ao criminoso.
    Onde se esconder? Em quem confiar? Será esse o momento para o ajuste de contas entre Makedde e o homem que transformou a vida dela em um pesadelo cruel? Ou finalmente o assassino vai fazer sua décima - e mais desejada - vítima?
    Descubra Cobiça, uma trama surpreendente, sexy e cheia de ação, que vai tirar o seu fôlego.


    Classificação:     


    "Será que Andy e Carol estavam namorando a sério? Mak se perguntou que tipo de pessoa ela seria. Será que fazia Andy rir? Compreendia o trabalho dele melhor do que a falecida ex-mulher, Cassandra? Compreendia Andy melhor do que ela, Makedde, com seu pai policial e seu conhecimento de Psicologia Forense? Enfermeiras e policiais eram uma combinação óbvia. Ambos lidavam com violência e tragédias o dia inteiro. Será que Carol e Andy combinavam bem?" Página 61

    Cobiça é o terceiro livro da série Makedde, de autoria de Tara Moss e publicada no Brasil pela Editora Fundamento.  Neste livro não há um crime a desvendar e um assassino para prender, mas sim Makedde retorna para Sydney para testemunhar e encerrar o caso do Assassino do Salto Alto, como ficou conhecido o homem que tirou a vida de Catherine e mais oito mulheres, e sequestrou Makedde com a mesma finalidade, porém foi impedido por Andy Flynn.

    Um ano e meio após as investigações sobre os crimes cometidos em Sydney, Makedde busca restaurar a normalidade de sua vida, porém a ansiedade a segue por todo o caminho tortuoso que sua vida percorreu ao longo deste último ano. Sua história ficou conhecida por todos e agora ela retorna para dar seu testemunho e ver o assassino de sua amiga sendo punido por seus crimes. O que ela não imaginava é que ele faria uma confissão diante de todos no tribunal, garantindo assim sua sentença. 

    Tudo corria bem melhor do que o previsto até o homem tentar um acordo com a polícia, diria os locais em que havia deixado suas vítimas para ter redução de pena. O que os policiais não previram é que ele contava com ajuda e causou uma grande explosão em um dos locais que alegava ter deixado um dos cadáveres. Assustada, Makedde parte para Hong Kong para fugir de seu perseguidor, além de trabalhar como modelo para garantir algum dinheiro, o que ela não contava é que sua partida seria noticiada por toda a imprensa e o Assassino do Salto Alto irá fazer de tudo para concluir o que havia começado há 1 ano e meio, e, então, completar a marca de 10 vítimas de sua perversidade. 


    "Andy não sabia o que dizer. Ela estava absolutamente certa. Depois de um ano e meio detido, depois de um ano e meio de investigação e trabalho duro, eles finalmente tinham conseguido. Ele confessou. Havia sido condenado por um tribunal. E então alguém pisou na bola. Era impensável." Página 179


    A série Makedde tem se tornado a minha favorita sobre investigação criminal, assunto que gosto muito de ler. A protagonista é modelo e estudante de psicologia forense, teve sua vida desestruturada por um crime brutal, foi alvo de um segundo criminoso e mesmo assim busca manter a calma e fazer justiça para as vítimas de ambos, ao mesmo tempo em que se cobra por causa da saúde do pai - já que viaja constantemente - e com relação ao relacionamento inacabado com Andy Flynn, o policial responsável pelas investigações em Sydney. Já o criminoso é extremamente perturbado e encontra uma pessoa tão desequilibrada quanto ele, porém esse relacionamento é volátil e ambos poderão ter de tomar uma decisão antes de conseguirem completar o seu objetivo. 

    O livro é escrito em terceira pessoa e os capítulos se alternam entre os personagens, dando ao leitor a possibilidade de tentar desvendar o quê acontecerá no capítulo seguinte. A série criada por Tara Moss é genial e se tornou uma das minhas favoritas, já que pretendo trabalhar com perícia criminal futuramente, e não vejo a hora de ter todos os livros em minha estante. A edição está perfeita, a capa é interessante e mostra um dos ambientes citados no livro, a diagramação segue o padrão dos volumes anteriores, capítulos curtos tornam a leitura fluida e a revisão está ótima. Cobiça é o meu livro favorito da série Makedde até agora, mas tenho certeza de que muitas histórias boas estão me esperando pela frente. 


    "Mahoney saiu, e Andy ficou dando os últimos retoques no material. Já tinha apresentado as observações dele sobre Ed Brown quando eles estavam caçando o assassino pela primeira vez. Na época, não tinham um nome, apenas os restos de suas vítimas e as cenas dos crimes como pista. Agora sabiam quase tudo sobre ele, exceto o mais importante: onde ele estava." Página 261