Resenha: Estrada Escura - Dennis Lehane

Editora: Companhia das Letras
Ano: 2012
Páginas: 336


O detetive Patrick Kenzie está de volta. Quarentão e com uma filha de quatro anos para criar, ele abraça uma missão que abre feridas e retoma dilemas fermentados por mais de uma década. Doze anos antes, em Gone, baby, gone (cuja adaptação cinematográfica foi lançada no Brasil como Medo da verdade), ele encontrou a pequena Amanda McCready e a devolveu à sua mãe problemática e negligente. Agora uma adolescente de dezesseis anos amargurada e autossuficiente, Amanda some de novo, e encontrá-la torna-se uma questão de honra para Kenzie, que conta com a ajuda de sua parceira (e mulher) Angie Gennaro. Em sua busca, os detetives de Boston topam com a máfia russa e com um emaranhado de crimes que inclui tráfico de bebês, produção de metanfetamina, pedofilia, falsificação de identidade e o roubo de uma relíquia. 


Classificação:     










" Essa era uma das grandes ironias do caso Amanda McCready: eu gostava dos bandidos muito mais do que dos mocinhos. A única exceção era Beatrice. Ela e Amanda tinham sido as únicas participantes inocentes daquela sucessão de erros." Página 30





Lembro como se fosse ontem quando me deparei com Gone, Baby, Gone como que por acidente. Estava na época do desaparecimento da garotinha britânica, Madeleine McCann, e o filme homônimo ao livro de Dennis Lehane estava para estrear. Foi uma confusão porque o filme foi vetado em alguns países pelas semelhanças com o caso: uma garotinha de quatro anos que some sem deixar rastros e a menina que fazia a personagem Amanda na adaptação se chamava Madeline e era igual a garotinha britânica. Quando eu li a sinopse de Gone, baby, Gone fiquei super curiosa e comprei a obra, creio que foi uma das primeiras que eu não consegui parar de ler enquanto não terminei o livro. O engraçado da obra é que você acompanha ela como se estivesse investigando o sequestro da menina e garanto que quando você terminar a leitura irá ficar com muita raiva do Patrick, muita mesmo. 

Quando vi que era uma série fiquei com vontade de ler todos os livros, porém ainda não comprei. Minha última leitura foi Estrada Escura que foi publicado pela Companhia das Letras e  é o livro que fecha a série policial escrita por Dennis Lehane e narra a história de dois detetives: Patrick Kenzie e Angie Gennaro que neste último volume estão casados e têm uma filha de quatro anos, Gabriella. A Gabby é uma fofa e as partes em que ela aparece eu ri muito com as falas dela, o Dennis soube criar uma personagem engraçadinha e infantil, mas bastante esperta. 

Tudo começa quando Bea, a tia de Amanda que contratou os detetives para encontrarem a sobrinha em 1998, aparece e diz a Patrick que a menina desapareceu novamente. O detetive diz que vai dar uma olhada para ver o que descobre, mas não se compromete em investigar este novo sequestro. Porém Bea sabe ser persuasiva e Patrick tem a consciência pesada porque da primeira vez em que Amanda desapareceu, o tio dela Lionel foi quem a levou para ser cuidada por uma família amorosa, e quando Patrick descobriu que quem estava com a menina era o chefe de polícia que deveria estar atrás do paradeiro dela, informou a polícia e a levou de volta para Helene. 

Helene é um caso sério, a típica mãe viciada e abusiva. Não sabe cuidar de Amanda e sempre a expõe a perigos desnecessários e não foram poucas as vezes que a menina correu risco de se machucar gravemente. Os anos se passaram e Amanda precisou amadurecer, conforme os depoimentos que Patrick colheu na escola de Amanda ela era uma menina inteligente e sabia se ajustar. Teve que aprender a contar apenas com ela para fazer tudo e se defender, já que a mãe preferia ficar doidona ao invés de cuidar da filha. 

Aos poucos Patrick vai ligando a história e vai até a casa de Helene para investigar, pouco antes Bea havia lhe dito que Helene estava namorando com um ex-presidiário que já havia sido condenado por estupros e outros tipos de violência. Outro elemento importante da história é Sophie, a melhor amiga de Amanda que foi expulsa de casa porque não queria perder peso e agora está morando com Helene. Quando Patrick faz uma visita à mãe de Amanda um integrante da máfia russa aparece e intima Kenny, o namorado de Helene, a entregar Amanda ou ele irá pagar caro por isso. O problema é que Patrick se envolve com a máfia e eles acabam segurando sua carteira de motorista, que contém o endereço dele, e Angie fica preocupada com a segurança de Gabby porque os russos ameaçaram sequestrar a pequena. 

A leitura é fluída e ao mesmo tempo bastante intensa, quando você pensa que já sabe o que aconteceu com a Amanda logo a história dá um 360º e muda completamente. A narração feita por Dennis Lehane se utiliza de palavrões, mas nada que deprecie a história. Continuo odiando a Helene, mas foi bom ver como Amanda cresceu forte por ter vivido os sete meses com os Doyle e ter visto que há um mundo diferente das bebedeiras de Helene. Gone, baby, Gone e Estrada Escura são meus livros favoritos e sem dúvidas eu pretendo relê-los, assim como adquirir os outros volumes. Se você está preocupado em ter que ler os outros volumes para ler as obras, não é necessário, os livros podem ser lidos individualmente. Dennis Lehane acaba retomando as partes importantes dos livros anteriores e situa o leitor na história de Patrick e Angie. Uma boa leitura para todas as idades e gostos, garanto que você irá adorar conhecer um pouco mais sobre estes dois detetives. 





" - Deus bem sabe que eu nunca esperei que Helene fosse ser uma boa mãe - ela disse -, mas nem dessa puta viciada em crack eu esperava tamanho retardamento mental em relação à própria filha. 
- Calma, Calma - falei. - Ela me parece mais viciada em cristal do que crack. Tecnicamente, portanto, seria uma puta viciada em cristal. 
Angie me lançou o olhar mais tenebroso que me lançara em muitos meses. Não era mais hora para brincadeiras. O elefante branco do nosso relacionamento, que nenhum dos dois mencionava, eram as atitudes que havíamos tomado quando Amanda McCready sumira pela primeira vez. Quando Angie tivera que escolher entre a lei e o bem-estar de uma criança de quatro anos, sua reação na época podia ser resumida com a seguinte frase: a lei que se foda." Página 101


7 comentários:

  1. Essa capa é linda demais! E parece que a história é muito boa. Eu gostaria de saber qual foi a reação do autor quando viu a semelhança do livro com o caso, rs.

    http://bruna-morgan.blogspot.com
    http://shhh-estoulendo.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Gostei da resenha, principlamente das frases, nos seis livros de Kenzie, desde “Um Drink Antes da Guerra” até “Estrada Escura”, se tem uma coisa que o investigador mais foda de Boston nunca perde, é o sarcasmo.

    lembro dessa que ele fala sobre a filha >> "aproximadamente cinco mil anos de civilização, dois mil e trezentos anos depois da biblioteca de Alexandria, mais cem anos de aviões. Computadores finos como uma folha de papel ao alcance das mão, capazes de acessar as riquezas intelectuais do mundo inteiro, e, a julgar pelas meninas sentadas naquela sala, o único progresso foi a transformação de “tipo” em uma palavra onipresente, que podia fazer as vezes de verbo, substantivo, artigo e servia como uma frase completa, se necessário.

    Quando minha filha nasceu, pensei em comprar uma espingarda para afugentar namorados em potencial dali a uns catorze anos. Agora, enquanto eu ouvia essas meninas se expressarem tão mal e imaginava Gabby um dia falando com aquela mesma superficialidade e pobreza linguística, pensei em comprar a mesma espingarda para dar um tiro na minha própria cabeça." rsrs.

    Você já leu todos da série Kenzie/Gennaro? Apesar de ter gostado da leitura, achei que "Estrada Escura" perde para os outros cinco livros da serie. Faltou muitas caracteristicas marcantes de Lehane e do proprio Kenzie.

    Se você ainda não leu os outro livros, recomendo bastante são p/ ler e reler.

    ResponderExcluir
  3. Gostei da resenha, principlamente das frases, nos seis livros de Kenzie, desde “Um Drink Antes da Guerra” até “Estrada Escura”, se tem uma coisa que o investigador mais foda de Boston nunca perde, é o sarcasmo.

    lembro dessa que ele fala sobre a filha >> "aproximadamente cinco mil anos de civilização, dois mil e trezentos anos depois da biblioteca de Alexandria, mais cem anos de aviões. Computadores finos como uma folha de papel ao alcance das mão, capazes de acessar as riquezas intelectuais do mundo inteiro, e, a julgar pelas meninas sentadas naquela sala, o único progresso foi a transformação de “tipo” em uma palavra onipresente, que podia fazer as vezes de verbo, substantivo, artigo e servia como uma frase completa, se necessário.

    Quando minha filha nasceu, pensei em comprar uma espingarda para afugentar namorados em potencial dali a uns catorze anos. Agora, enquanto eu ouvia essas meninas se expressarem tão mal e imaginava Gabby um dia falando com aquela mesma superficialidade e pobreza linguística, pensei em comprar a mesma espingarda para dar um tiro na minha própria cabeça." rsrs.

    Você já leu todos da série Kenzie/Gennaro? Apesar de ter gostado da leitura, achei que "Estrada Escura" perde para os outros cinco livros da serie. Faltou muitas caracteristicas marcantes de Lehane e do proprio Kenzie.

    Se você ainda não leu os outro livros, recomendo bastante são p/ ler e reler.

    ResponderExcluir
  4. Gostei da resenha, principlamente das frases, nos seis livros de Kenzie, desde “Um Drink Antes da Guerra” até “Estrada Escura”, se tem uma coisa que o investigador mais foda de Boston nunca perde, é o sarcasmo.

    lembro dessa que ele fala sobre a filha >> "aproximadamente cinco mil anos de civilização, dois mil e trezentos anos depois da biblioteca de Alexandria, mais cem anos de aviões. Computadores finos como uma folha de papel ao alcance das mão, capazes de acessar as riquezas intelectuais do mundo inteiro, e, a julgar pelas meninas sentadas naquela sala, o único progresso foi a transformação de “tipo” em uma palavra onipresente, que podia fazer as vezes de verbo, substantivo, artigo e servia como uma frase completa, se necessário.

    Quando minha filha nasceu, pensei em comprar uma espingarda para afugentar namorados em potencial dali a uns catorze anos. Agora, enquanto eu ouvia essas meninas se expressarem tão mal e imaginava Gabby um dia falando com aquela mesma superficialidade e pobreza linguística, pensei em comprar a mesma espingarda para dar um tiro na minha própria cabeça." rsrs.

    Você já leu todos da série Kenzie/Gennaro? Apesar de ter gostado da leitura, achei que "Estrada Escura" perde para os outros cinco livros da serie. Faltou muitas caracteristicas marcantes de Lehane e do proprio Kenzie.

    Se você ainda não leu os outro livros, recomendo bastante são p/ ler e reler xD

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Igor, li apenas Gone Baby Gone porque foi especificamente a história que envolvia a Amanda que me chamou atenção. Pretendo ler os outros livros da série mais para frente. Confesso que também ri quando ele fala da espingarda e achei a Gabby uma fofa. Acabei perdendo alguns detalhes porque não li a série completa, mas mesmo assim gostei bastante de Estrada Escura.

      Excluir
  5. É como você falou, não precisa ler os primeiros livros cada um pode ser lido individualmente. Começei lendo Sagrado só depois começei a ler da ordem certa e vi que perdi poucas coisas, o bom que cada livro é um estágio diferente da relação do casal de detetives.

    Foi mal o numero de comentários repetitivos, foi algum erro na hora de mandar =P

    ResponderExcluir
  6. Acho que não conseguiria ler apenas um livro, provavelmente, iria querer ler todos os da série!

    ResponderExcluir

Quer deixar uma dica ou sugestão? Comente e me deixe feliz.

Para que eu possa visitar seu blog deixe um comentário com o nome do blog e eu entrarei em seu perfil. Ou use a opção Nome/URL. Por favor não coloquem links nos comentários porque o blogger considera como spam.

Agradeço a visita!