Por dentro da Tela: Cyberbully


País de Origem: Canadá
Gênero: Drama
Tempo de Duração: 120 minutos
Ano de Lançamento: 2011
Direção: Charles Binamé


Cyberbully conta a história de Taylor Hillridge (Emily Osment), uma adolescente que se torna vítima de bullying online. Quando sua mãe (Kelly Rowan) lhe dá um computador de aniversário, Taylor se anima pela perspectiva de liberdade e independência de se conectar sem a mãe sempre olhando. Mas Taylor logo se descobre vítima de bullying enquanto visita uma rede social, e, com medo de encarar seus colegas na escola, inclusive sua melhor amiga Samantha (Kay Panabaker), ela é forçada ao limite.



“Eu sou a verdadeira Taylor Hillridge. E eu não sei por que as pessoas me odeiam tanto, ou talvez eu saiba. Porque agora eu me odeio também. Eu não vejo uma razão para tentar, ou falar, ou respirar. Eu estou farta. Então acho que é isso. Tchau.” Taylor





    Hoje venho falar sobre um assunto relacionado ao nosso blog que trata sobre o poder que as palavras têm. Se usadas para o bem, podem ser reconfortantes e uma fonte de apoio. Se utilizadas com um mau propósito podem até destruir vidas. Eu, particularmente, amo ler e ver filmes sobre Bullying e sei que nos últimos anos eles tem se multiplicado de forma assustadora. Até se quiserem dicas sobre este material, é só deixar nos comentários o seu e-mail que eu mando uma lista de filmes sobre o assunto. Mas voltando ao filme...







     Cyberbully conta a história de Taylor - uma menina que logo após ganhar um notebook de presente de aniversário, cria um perfil em uma rede social. Um dia depois sua amiga avisa para ela dar uma olhada em seu status e a garota percebe que sua conta foi invadida e publicaram coisas de mau gosto. E então começam as provocações, quase todos os alunos da escola publicam coisas maldosas e eis que ela começa a conversar com James, um garoto simpático... Que não é quem aparenta ser. As provocações pioram e Taylor se recusa a ir para a escola, por medo de encarar seus colegas. A situação chega a um ponto tão extremo que a menina quase se suicída...

     Não contarei o resto do filme, até para não estragar a surpresa de quem for assistir. Mas recomendo, pois o filme nos mostra como lidar com essas provocações na escola. Quem me dera ter esse tipo de material quando eu estava na escola (até porque eu já estive dos dois lados, provoquei e sofri com as provocações), no inicio parece uma coisa saudável e inocente... Mas no fundo é uma coisa séria, várias crianças e adolescentes passam por problemas iniciados por causa do bullying – Depressão, cutting e transtornos alimentares são os mais comuns. - Porém se sentir ameaçado, ou souber de alguém que sofre provocações procure avisar um adulto. Isso sempre ajuda.

1 comentários:

  1. Eu já vi esse filme e adorei. Que lição!!! Assisti por causa da Emily Osment, e achei tocante. Este filme deveria ser passado em todas as escolas, todos estudantes deveriam ver como é o lado da história para quem sofre bullying. Eu já estive muito mais vezes do lado que sofria do que provocava, então acho isso bem importante (não que fossem casos graves, mas com certeza incomoda). Todos deveriam assistir esse filme :)
    Beijos
    http://spaceindaze.blogspot.com

    ResponderExcluir

Quer deixar uma dica ou sugestão? Comente e me deixe feliz.

Para que eu possa visitar seu blog deixe um comentário com o nome do blog e eu entrarei em seu perfil. Ou use a opção Nome/URL. Por favor não coloquem links nos comentários porque o blogger considera como spam.

Agradeço a visita!