Resenha Garotas de Vidro - Laurie Halse Anderson

Autora: Laurie Halse Anderson
Editora: Novo Conceito
Ano: 2012
Número de páginas: 272
Área Principal: FICÇÃO

   “Lia e Cassie são amigas há anos, ambas congeladas em seus corpos. No entanto, em uma manhã, Lia acorda com a notícia de que Cassie está morta, e as circunstâncias de sua morte ainda são um mistério. Não bastasse isso, Cassie tentara falar com Lia momentos antes, para pedir ajuda. Lia tem de lidar com o pai, que é um renomado escritor, sua madrasta e a mãe, uma cardiologista que vive ocupada, salvando a vida dos outros. Contudo, seu maior tormento é a voz dentro de si mesma, que não a deixa se esquecer de manter o controle, continuar forte e perder mais, sempre perder mais, e pesar menos. Bem menos.”
Classificação:    

" - Odeio falar mal de quem já morreu, mas fiquei feliz quando você parou de sair com ela.
Empurro a prateleira de cima e puxo a de baixo.
   - Por quê?
   - A Cassie era perturbada. Era bem capaz de ter levado você para o fundo do poço com ela.
 Tento pegar uma faca para carne no meio de um ninho de colheres. O cabo está morno. Quando a tiro de lá, a lâmina corta o ar, dividindo a cozinha em fatias. Ali está Jennifer, colocando cookies comprados no mercado em um recipiente de plástico para a aula de sua filha. Ali está a cadeira vazia do meu pai, que finge não ter escolha com essas reuniões logo cedo. Ali está a sombra da minha mãe, que prefere ligar porque uma conversa frente a frente demora demais e geralmente acaba em gritos.
  E aqui está uma garota com uma faca na mão. Há gordura sobre o fogão, sangue no ar e palavras cheias de raiva amontoadas pelos cantos. Somos todos treinados para não ver nada disso. Nada mesmo

... corpo encontrado em um quarto de motel, sozinho...  " Páginas 7 e 8

 Garotas de Vidro conta a história de duas amigas, Cassie e Lia, que juntas desenvolveram distúrbios alimentares distintos. Cassie sofre de bulimia desde seus 11 anos de idade, já Lia desenvolve anorexia devido a uma aposta que as garotas fizeram no Ano Novo, de quem seria a mais magra. Essa busca pelo corpo perfeito, que parece nunca chegar, acaba destruindo a vida das meninas. 
 Ao início da obra,  Lia e Cassie estão separadas há alguns meses. Portanto, quando Lia recebe ligações da antiga amiga - 33 ligações e algumas mensagens de voz - Ela não atende a nenhuma. Isso a persegue por grande parte do livro, porque ela descobre que Cassie morreu em um quarto de motel, sozinha. Provavelmente tentou pedir ajuda e Lia não a atendeu. 
  Com esse estresse por conta da morte de Cassie, o distúrbio de Lia começa a se agravar e seus pais cogitam interná-la pela terceira vez em uma clínica que trata pacientes com distúrbios alimentares.

  O livro peca em algumas partes, e uma que eu achei bem estranha foi: 

" Eu olho para mim: não consigo atuar, nem jogar futebol, e a maioria delas tem notas melhores que as minhas. Mas eu sou a garota mais magra da sala, sem dúvida." Página 78

 Afinal, quando uma garota tem distúrbio alimentar ela nunca se acha magra o suficiente. E nessa passagem,  Lia pensa justamente o contrário. Mas como toda regra tem suas exceções... Já deixo claro que minhas opiniões não tem qualquer fundamento médico, tirei minhas conclusões para a produção dessa resenha com minhas experiências como leitora e garota que tem contato direto com essas doenças e problemas com auto-imagem. 
  Com essa descoberta de Lia se forma um circo a sua volta. Seus pais e sua madrasta estão preocupados que com esse trauma ela possa voltar aos hábitos antigos. Mas como qualquer garota que sofre de anorexia, ela inventa que já comeu, ou que vai comer mais tarde e sempre consegue se esquivar. Quando é obrigada a comer na frente de sua madrasta, ela vai de madrugada para  a máquina de step e passa horas a fio para gastar todas as calorias ingeridas. 



" Quero tirar o vestido dela e ver se eles abriram o zíper da sua barriga. Eu quero ver lá dentro. Ela gostaria de ver também, porque só falava disso, as criaturas escondidas com asas que davam coceira e antenas que nos cutucavam e nos mandavam cambaleando para o banheiro, Cassie para a privada porque ela conseguia se livrar de tudo, e eu para o espelho, para que a garota do lado de lá pudesse me manter forte e com costelas de aço." Páginas 86 e 87.

   Conforme o tempo passa, ela consegue enganar seus pais  e sua madrasta que ficou encarregada de a pesar todas as semanas e anotar dados que ajudem na recuperação de Lia. Como ela conseguiu? Para enganar a balança, ela costurou moedas no bolso de seu roupão. E quando precisava tomar café e almoçar em casa, ela apenas sujava os utensílios para enganar seus familiares e passar a impressão de que havia se alimentado. As cenas mais difíceis de ler eram as entre Emma e Lia. O amor que Lia tinha por sua meio-irmã Emma e como a menina a adorava. Emma é, sem dúvidas, a maior afetada pelo distúrbio de Lia (além dela mesma). A menina tem grandes chances de desenvolver comportamento semelhante, afinal, ela amava a irmã e a viu se destruir aos poucos.

   Lia fica com remorso e em grande parte de seu dia ela pensava nas ligações de Cassie. Não foi uma, ou cinco. e sim 33. Cassie devia estar precisando muito dela. 
    Com isso em sua cabeça, Lia decide ir ao motel em que Cassie morreu para investigar e acaba conhecendo Elijah, uma espécie de faz-tudo e quem achou Cassie já morta. Lia se apresenta como Emma e acaba tendo detalhes de como a amiga morreu. Os dois voltam a se encontrar mais vezes e se aproximam. Mas no enterro de Cassie a mãe de Lia a chama por seu verdadeiro nome e a casa cai. Elijah descobre que Lia mentiu sobre sua identidade e revela que tinha um recado de Cassie  para ela. Quando Lia descobre o que Cassie queria lhe dizer, seu mundo vem abaixo e a montanha russa de sua vida está completamente desgovernada. 
      A cena que mais cortou meu coração foi quando Emma encontra a irmã desacordada. Essa sim me surpreendeu e mostrou realismo no livro. 

  "Ela quase foi ao médico há uns dois anos. Todo aquele entope/vomita/entope/vomita/entope/vomita não a deixava mais magra; só a fazia chorar (...) 
- Não consigo parar, mas também não posso continuar assim - ela me disse - Nada funciona.
Eu dei o maior apoio. Procurei nomes de médicos e clínicas. Mandei e-mails para sites de recuperação.  E sabotei cada passo." Páginas 97 e 98


   Como já comentei, a meu ver, o livro deixou bastante a desejar. Para um leigo, claro, o livro choca. Eu ouvi comentários "Ah, o livro é depressivo"; "Nossa! Essa leitura é pesada"; mas sinceramente, o livro não mostrou um quarto do que se passa na cabeça de uma pessoa controlada por sua rotina alimentar. Sei que a autora não tem a obrigação de retratar fielmente a vida de uma garota com distúrbios alimentares, mas o livro poderia ser um pouco mais completo não fugir tanto da realidade, como acontece em algumas partes.
    Claro, a força interior conta. Mas como permanecer saudável enquanto as revistas, filmes e tudo o que sai na mídia valoriza as pessoas magras e bonitas? Ao contrário do que se pensa, não basta apenas o doente voltar a comer, é necessário um trabalho de vários profissionais (psiquiatras, nutricionistas, psicólogos) para que a pessoa reaprenda a comer, além de reparar os estragos causados em outros órgãos como esôfago, coração e fígado.
    Tudo começa com: ah se eu não comer hoje, não engordo; se eu fizer mais uma hora de academia, emagreço; e isso acaba virando uma avalanche e nada do que se faça consegue deter a pessoa e convencê-la de que isso faz mal. Afinal, ela quer ser magra e para isso vale tudo. 

" - Se você comer, explico como a Cassie morreu - ela diz.
- Você está brincando.
- E eu brinco com você sobre comida?
Estou com tanta fome Tenho que permanecer forte, me dobrar, mas não quebrar.
- Um muffin. " Página 153


     O livro é bom sim, mas teria capacidade de ser melhor. A obra mostra que houve uma pesquisa da autora, e não foi um trabalho sem fundamento algum. Eu não esperava ver sites e mensagens de outras garotas com distúrbios alimentares ao longo da narração - eu já visitei alguns e achei completamente desesperador. As garotas tratam distúrbios alimentares como amigos e não como uma doença que pode matá-las. Deixo um trecho das "Cartas da Ana e da Mia" para exemplificar o que comentei anteriormente e pode ser encontrado em vários sites e blogs de "inspiração". 

Isso garota, curve-se perante mim e use seus dedos, sua escova de dente ou até mesmo um pedaço de pau, deixe tudo sair até a última gota,quero sangue saindo de sua garganta e estômago. Não chore, é assim mesmo o caminho da perfeição.É doloroso.Agora levante-se sente-se um pouco, relaxe.Veja como você se sente bem melhor, não é mesmo?
Está tudo limpo em você, agora sim, boa garota..."  Trecho da Carta da Mia (Bulimia)

Eu criei você, magra, perfeita, minha criança lutadora! Você é minha, e só minha! Sem mim, você e nada! Então, não me contrarie. Quando outras pessoas comentarem, ignore os! Esqueça deles, esqueça todos querem me fazer ir embora. Eu sou seu melhor apoio, e pretendo continuar assim." Trecho da Carta da Ana (Anorexia)


   A leitura flui rapidamente e no começo foi um tanto confusa, pois a autora usava de vários recursos como 
riscar palavras que no caso, eram os pensamentos de Lia a respeito de sua vontade de comer ou brigar com sua família. E ao longo do livro eu fui acostumando e já distinguindo os pensamentos/ pensamentos proibidos/ o que ela realmente falava. 
    Ao longo da narração o livro começa a ganhar força e eu realmente achei que ia entrar para um dos meus favoritos, porém o final foi um tanto decepcionante. A autora começou a se perder e colocar coisas que não faziam sentido algum e me deixou com cara de: tá, e ai? Claro que analisando os acontecimentos em ponto de vista médico, seriam alucinações causadas pela falta de alimentação de Lia, mas pelo que eu entendi, não foi isso que a autora queria passar.
   Então se você ACHA que irá "entrar na cabeça" de uma pessoa anoréxica e entender o que ela pensa ou faz, está muito enganado. Sim, a semelhança é grande. Porém isso é apenas a superfície do que a pessoa pensa/faz. Não é apenas não comer, gastar o que ingeriu e se auto-mutilar. A doença é muito mais complexa do que a autora mostra e pode se apossar das pessoas menos prováveis. Vale a pena ler Garotas de Vidro, mas não use o livro como referência para entender o que se passa na cabeça de uma pessoa que tem anorexia/bulimia ou qualquer doença semelhante. 

26 comentários:

  1. Gostei da sua resenha, ela ficou bem completa, e vou seguir o seu exemplo e não acreditar que é isso que se passa na cabeça dessas garotas, eu realmente acreditava que era, porque eu nunca passei por nada semelhante, mas é bom saber a opinião de alguém mais informada!

    beijos
    Luana - Lendo ao Luar

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Luana, agradeço o comentário. Eu fiz essa resenha tentando mostrar os pontos que a narrativa falhou e espero que tenha me expressado bem.
      Mas como falei, em geral o livro foi bom.
      Beijos.

      Excluir
  2. Olá, tudo bem?

    Bem bacana a sua resenha, exatamente pq não esquece o elemento crítico, tão necessário. Entretanto, quando vc fala "mas não use o livro como referência para entender o que se passa na cabeça de uma pessoa que tem anorexia/bulimia ou qualquer doença semelhante", eu penso que isso não me parece ser o objetivo dessa obra; não é um estudo de caso, não é um compilado de sessões de terapia. Acho que, assim como as descrições são apenas a ponta do iceberg, tb o é o livro. Achei muito legal que ela tenha tornado mais real, que cortado muito do véu que esconde os transtornos alimentares, mas isso como um aperitivo para que as pessoas pensam na complexidade do tema e desconstruam suas ideias já estabelecidas. Não creio que nenhum livro vai mostrar como funciona a cabeça das pessoas, nem os compêndios de psiquiatria, nem os livros especializados em um tema e escritos/organizados por doutores no assunto.

    Foi muito bom passar aqui pelo blog e, como disse, ver uma resenha muito boa.

    Um beijo e ótimo fim de semana,

    Nayara.
    www.dignidadenaocabeaqui.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Nayara, agradeço o comentário.

      Eu coloquei essa frase porque antes de ler Garotas de Vidro vi em diversas resenhas o seguinte comentário: Foi bom entender o que se passa na cabeça de uma pessoa anoréxica.
      E isso não ocorre no livro, conforme mostrei na resenha. Por isso fiz essa afirmação, mas acho que não me expressei bem.

      E como mencionei na resenha, fiz a mesma baseada em meus conhecimentos sobre a doença e leituras anteriores ( na aba de resenha há o livro Diários da Anorexia, que é sobre um caso verídico e vale a pena ler) mas concordo com você, não há obra que mostre a doença em sua totalidade porque cada caso se apresenta de forma distinta.

      Espero que agora tenha ficado claro o ponto em que não concordo com o livro, porém no geral eu gostei da obra.

      Beijos e volte sempre.

      Excluir
  3. Ótima resenha!
    Eu li o livro e particularmente adorei. Achei muito bem escrito e aborda o problema sem exageros, mas mostra os problemas que a pessoa sofre com a anorexia.

    BjO
    http://the-sook.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também gostei do livro, No ínicio fiquei meio confusa com a forma de escrita, mas ao longo da obra eu acostumei.
      Beijos

      Excluir
  4. Bah, já eu achei durante a leitura que entrei realmente na cabeça de alguém que sofre distúrbios alimentares, achei bem real a narração da autora, tem coisas de ficção, mas ainda assim achei a leitura meio pesadinha. Enfim, não sou especialista nesse assunto, então minha opinião é leiga. rs

    Beijos
    Meu outro lado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, no geral eu gostei do livro. A cena que mais me deixou arrepiada foi quando a Emma encontra a Lia desacordada...
      Eu achei meio fraco na questão da descrição da doença, já li muitos materiais sobre distúrbios alimentares então por isso fui mais crítica na resenha rs.

      Beijos

      Excluir
  5. Oi Rafaella!
    Achei a sua resenha bem interessante. Quando recebi esse livro da NC fiquei bem curiosa. É um tema legal, diferente (eu pelo menos não conheço nenhum livro com um tema parecido) e atual. Estou bem ansiosa para ler. Sua resenha ficou bem completa, gostei bastante!
    Beijos ;*
    Seguindo!
    http://coisasdemeninasarteiras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Neyla.
      Eu estava bem curiosa também. Acabei comprando o livro de tantas resenhas boas que vi sobre ele. No começo o livro é bem realista, mas no meio da narração a autora começa a se perder e o final desanda. Eu até fiquei com medo de apontar essas falhas que achei, mas acho que eu expliquei bem as razões que me levaram a isso.
      Fico feliz que tenha gostado da resenha e volte sempre,
      beijos.

      Excluir
  6. Que ótima a sua resenha, muito bem desenvolvida e completa.
    O livro parece ser muito bom e não sabia que o tema do livro era esse.
    Beijinhos
    Renata
    http://escutaessa.blogspot.com.br
    http://www.facebook.com/BlogEscutaEssa
    @blogescutaessa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que tenha gostado da resenha.
      O tema do livro é bem complicado e sério. Mas em geral a obra é boa =)

      Beijos.

      Excluir
  7. Olá!
    Essa é minha primeira visita ao seu site, e já estou gostando muito daqui :)
    Gostei muito do post que fez.
    Beijos!
    Taiany

    PS: Da uma passadinha no meu blog e segue?
    http://clouds-of-cotton.blogspot.com/

    Já estou te seguindo também!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, então seja bem vinda. E apareça sempre.
      Já estou te seguindo.
      Beijos.

      Excluir
  8. Gostei muito da resenha! Ja estava com vontade de ler esse livro e agora estou com mais vontade. Esta na minha meta do skoob kk'
    beijoss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, que bom que você gostou.
      hahaha tenho certeza que você vai conseguir ler.
      Beijos.

      Excluir
  9. Estou com esse livro aqui em casa, mas ele ainda enta aguardando na fila
    Mas sempre leio resenha falando que ele é muito forte e reflexivo
    E gostei bastante da sua

    Beijos
    @pocketlibro
    http://pocketlibro.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu achei isso. É forte, mas deixa a desejar.
      Muito obrigada pelo comentário positivo.
      Beijos e volte sempre.

      Excluir
  10. Otima resenha!
    Gostei dos pontos que você abordou nela, os quotes, você frisou bem os pontos fortes da história sem entregar o ouro da história rs

    Ainda não li esse livro, eu tenho ele aqui e, se fosse pela capa, eu já tinha lido, mas minha preocupação é justamente a que você mostrou no final: dá pra usar esse livro como base pra entender a doença?Pelo jeito não, ne rs
    Ah, sei bem essa sensação de quando o livro é bom, mas podia ser melhor. Acontece sempre comigo.
    Eu não gosto muito desse lance de riscar a frase, não sei, acho que sou meio antiquado uaehuaehue

    ótimo post! E, claro, show de layout, hein! Tô apanhando com o meu até hoje auehuauhe

    abração, fica na PAz! Boa leitura xD


    Pedro Almada - INspirados, O Berço das Grandes IDeias!
    http://inspirados-oandarilhodotempo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada. Até agora, essa foi a resenha mais difícil de fazer.

      Não use como base. Eu achei a abordagem um tanto superficial, como já li e resenhei um livro de uma pessoa que sofreu de anorexia/bulimia consegui comparar os dois. Acho que por isso que me decepcionei um pouco com Garotas de Vidro.

      Agradeço os elogios. Fiquei muito feliz mesmo que tenha gostado do blog.

      Beijos.

      Excluir
  11. Ótima resenha, eu não li o livro mais estou morrendo de vontade de ler! *-*

    ResponderExcluir
  12. Nossa adorei sua resenha, parabéns mesmo! São resenhas assim que aumentam minha lista de livros desejados. Adorei o tema abordado e tudo mais (:

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito Obrigada, Selma.
      Também adoro resenhas que aumentam minha vontade. O difícil é ter dinheiro para comprar todos os livros que quero rs.

      Beijos.

      Excluir
  13. Muito boa a resenha!
    Muito bom os pontos abordados. O livro parece ser bom e de grande valia informativa também por abordar um tema tão atual! Que é um problema de muitas jovens...
    Muito bom por que entendemos até como o livro funciona, as idéias de como a autora quis abordar o assunto e o discorrer da história são pontos importante como critério para aumentar minha lista de desejos!
    =)
    Parabéns mais uma vez!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito Obrigada, Felipe.
      No começo você vai ficar um tanto confuso com a escrita, mas com o decorrer da narrativa você se acostuma.
      O livro é -em geral- muito bom, só tem esses probleminhas que citei na resenha. Mas acho que vale a pena dar uma chance a ele.
      E agradeço os comentários sobre a resenha. Fiquei muito feliz.
      Beijos.

      Excluir
  14. Olá,
    Meu nome é Cassie.E assim como você concordo que o livro poderia ser mais realista,e assim bem melhor,mas de uma visão normal é muito bom.Eu assim como a Lia,não me acho "anorexica" mas,admito,tenho problemas com o espelho.Eu me vejo gorda.Eu me vejo como uma inutil.Agora com 16 anos,peso 38,5,e me acho bem,forte,linda.Já fui a clínica umas três vezes acho,e é horrivel,...mas é um mundo sem volta.Assim como a automutilação,que eu também sofro."O vazio é bom.O vazio é FORTE."

    Beijos.

    ResponderExcluir

Quer deixar uma dica ou sugestão? Comente e me deixe feliz.

Para que eu possa visitar seu blog deixe um comentário com o nome do blog e eu entrarei em seu perfil. Ou use a opção Nome/URL. Por favor não coloquem links nos comentários porque o blogger considera como spam.

Agradeço a visita!