Resenha: O pior dos crimes - Rogério Pagnan

Editora: Record
Ano: 2018
Páginas: 336

A história completa do assassinato que chocou o Brasil Construído em ritmo de thriller, O pior dos crimes esmiúça o trágico caso que conseguiu estarrecer a opinião pública de um país rotineiramente violento. Em 29 de março de 2008, Isabella, de 5 anos, foi atirada ainda com vida pela janela do sexto andar do apartamento do pai, Alexandre Nardoni, e da madrasta, Anna Carolina Jatobá, na zona norte da capital paulista, e morreu pouco depois de chegar ao hospital. O que se seguiu foi uma investigação e um processo repletos de pistas mal perseguidas, depoimentos de suspeitos com “pegadinhas”, uso de informações falsas, pressões indevidas para a obtenção de confissões, perícias criminais deficientes e um Ministério Público empolgado com os holofotes. Se o caso Nardoni representou ou não um erro judicial, se houve elementos suficientes para uma condenação “acima de qualquer dúvida razoável”, o leitor será capaz de dizer a partir da leitura deste instigante livro-reportagem.



Classificação:    



O Pior dos Crimes é uma obra lançada pela Editora Record e de autoria do jornalista Rogério Pagnan, para marcar os dez anos do assassinato de Isabella Nardoni. Recebi o livro do GER por ação, ou seja, mandaram para todos os parceiros como forma de divulgação, mas mesmo que não tivesse recebido a obra estaria em minha lista de próximas leituras. Como sempre falo, adoro histórias policiais e de cunho investigativo, estou buscando seguir nessa carreira, então isso me motiva a procurar ler o máximo sobre investigação policial e pericial. 

Depois do caso Madeleine McCann (que usei como tema para meu TCC) a morte de Isabella Nardoni foi o crime que mais me deixou indignada, já que ambas foram negligenciadas por quem deveria protegê-las. E esse foi um dos pontos que mais me irritou durante a leitura de O Pior dos Crimes, já que o autor faz questão de dizer aos quatro ventos que as provas periciais e o inquérito estavam comprometidos e que o pai e a madrasta da garotinha foram condenados sem provas sólidas. 

O livro é bem construído de forma a situar o leitor na vida do pai de Isabella desde a infância, assim como a da mãe e da madrasta. Além de apresentar seus passos durante o fatídico 29 de março de 2008, segue com investigações, provas periciais e a condenação do casal. A narração de Rogério Pagnan é bastante informativa, mas totalmente parcial e  pelo que vi em resenhas não fui a única que achou que o autor estava querendo limpar a barra do casal. A obra é interessante para aqueles que acompanharam o desenrolar das investigações ou que têm interesse em seguir na carreira policial (como é o meu caso), porém para as pessoas que não estão familiarizadas com livros de cunho criminal pode ser um pouco chocante a naturalidade com que o autor trata a morte da garotinha e as provas forenses. 



" - O senhor quer mesmo dizer que acredita que uma pessoa entrou no apartamento, sem arrombar a porta, utilizando cópia de uma chave, que essa pessoa feriu sua filha na testa, provocou asfixia em sua filha, cortou a tela de proteção da janela, tendo antes aberto a janela do quarto, limpou o sangue de Isabella, recolheu os instrumentos utilizados para cortar a tela de proteção e saiu do apartamento, trancando a porta, tudo no tempo em que você permaneceu ausente?" Página 163




8 comentários:

  1. Oi Rafa.
    O caso de Isabella Nardoni realmente foi um crime que deixou muitos indignados e horrorizados com o que o casal Nardoni foi capaz de fazer.
    Eu até estava interessada em ler o livro, mas depois da sua observação sobre a falta de imparcialidade do jornalista Rogério Pagnan para retratar o crime e sua intenção de desmerecer as provas periciais, não lerei mais o livro.
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Oi, Rafaella!
    Até hoje me lembro do caso Madeleine McCann e da morte de Isabella Nardoni com tristeza, a negligência das pessoas que deveriam protegê-las também me deixam indignada...
    Em relação ao livro, não estou familiarizada com livros de cunho criminal, não faz o meu estilo de leitura, e pelos seus comentários acredito que O pior dos crimes não é pra mim, por isso eu não leria esse livro. Abraços.

    ResponderExcluir
  3. Rafa!
    Infelizmente os recursos da nossa justiça e da polícia, são parcos e precários.
    Diante de uma exposição tão grande da mídia (que condena ou absolve quando quer), a pressão fica grande e tem de se apontador um culpado.
    E por causa de tudo isso, muitos casos não tem resolução ou, quando tem como aqui, sempre ficamos nos perguntando se foi feita mesma a justiça?!...
    Deve ser um livro intenso, mas ainda assim, gostaria de ler a visão de alguém que acompanhu boa parte do processo.
    Sua resenha como sempre impecável.
    “Eu gosto de escutar. Eu aprendi muito escutando cuidadosamente. A maioria das pessoas nunca escuta. “(Ernest Hemingway)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA MAIO BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
  4. Oi Rafaella,
    O que aconteceu com a Isabella foi uma injustiça, cometida através de um ato de crueldade e covardia, por isso até hoje me revolto com esse crime e é o tipo de tragédia que marca a vida de qualquer pessoa. O que acompanhei da história de Isabella foi pelos noticiários na época que o crime ocorreu, por isso sempre tive uma certa curiosidade em ter mais acesso a conteúdos que pudessem me fornecer mais informações. O Pior dos Crimes poderia ser esse meio, mas como você ressalta alguns pontos em que o autor aponta a falta de provas para incriminar o pai e a madrasta da vítima, talvez esse não seja o livro que me trás as informações que busco.

    ResponderExcluir
  5. Lembro quando vi sobre esse crime e fiquei completamente em choque com tamanha crueldade vindo daqueles que deviam protege-la. Assisti até uma série nova na netflix esses dias que fala sobre esse caso e outros.
    Gosto bastante de ler livros sobre criminalística, porém pelo que você ressalta na resenha em que ele comenta de que há falta de provas que incrimine o casal, esse definitivamente não seria um que teria interesse em saber mais.

    beijinhos

    ResponderExcluir
  6. Esse é realmente um daqueles livros que não quero ler, fico muito triste sempre que lembro desse caso e acho que esse livro me deixaria muito mal. É triste demais ver o quanto nossa justiça é falha :( enfim, pra quem gosta dese gênero creio que será uma leitura interessante.

    ResponderExcluir
  7. Aaah! Também quero seguir essa carreira(no caso, de perita criminal)! Até por isso, eu me interessei pelo livro e fiquei curiosa para saber o que o livro nos apresentaria sobre o caso! Porém, estou vendo que não vai ser um livro bom, já que o autor é parcial! Acho a imparcialidade essencial em livros do tipo. Obviamente o que é apresentado na sinopse é verdadeiro com relação ao nosso país, mas nem por isso devemos apoiar a vítima(nada inocente). Sem dúvidas que não lerei!

    ResponderExcluir
  8. Ola!
    Não tinha conhecimento desse livro, mas tem uma premissa ótima. Gosto bastante de livro que envolve investigação criminal e mistério. Já anotei na listinha também!

    Meu blog:
    Tempos Literários

    ResponderExcluir

Quer deixar uma dica ou sugestão? Comente e me deixe feliz.

Para que eu possa visitar seu blog deixe um comentário com o nome do blog e eu entrarei em seu perfil. Ou use a opção Nome/URL. Por favor não coloquem links nos comentários porque o blogger considera como spam.

Agradeço a visita!