Resenha: Com amor, Simon - Becky Albertalli

Editora: Intrínseca
Ano: 2018
Páginas: 272




Simon Spier tem dezesseis anos e é gay, mas não conversa sobre isso com ninguém. Ele não vê problemas em sua orientação sexual, mas rejeita a ideia de ter que ficar dando explicação para as pessoas - afinal, por que só os gays têm que se apresentar ao mundo? Enquanto troca e-mails com um garoto misterioso que se identifica como Blue, Simon vai ter que enfrentar, além de suas dúvidas e inseguranças, uma chantagem inesperada.






Classificação:      




"O que eu quero de verdade é ficar pensando em Blue. Acho que estou começando a ficar meio obcecado por ele. Por um lado, ele toma cuidado o tempo todo para não revelar muito sobre si mesmo, mas depois começa a contar um monte de coisas pessoais, o tipo de coisa que eu poderia usar para descobrir a identidade dele, se realmente quisesse. E quero. Mas também não quero. É tão confuso. Ele é confuso." Página 99



Lembro de ter meu primeiro contato com o livro na 5ª Turnê Intrínseca que participei como blog parceiro e a equipe de Marketing da editora apresentou o livro, ainda com o nome antigo. Porém como não foi uma obra que chamou muito minha atenção, acabei não solicitando o livro até agora, mas com o filme e o relançamento da obra fiquei tentada a lê-lo. Mês passado aconteceu a pré-estreia do filme em Curitiba, participei da divulgação e acabei me apaixonando pela história e não vi a hora de chegar o meu exemplar.

Com Amor, Simon conta a história de Simon Spier, um garoto que está no ensino médio e tem uma vida aparentemente normal, seus pais são bem presentes, sua irmã mais velha está na faculdade e a mais nova é bem próxima dele, porém Simon esconde um segredo. Um dia uma postagem em um blog de fofocas de sua escola acaba mudando completamente o seu destino, um garoto que se apresenta como Blue descreve o quanto é difícil se manter à margem por seu homossexual, porém não tem coragem de se assumir e enfrentar o preconceito dos colegas. Simon cria um e-mail e começa a conversar com Blue quase todos os dias e percebe que existe alguém que entende o quanto é difícil esconder uma parte de sua vida. Aos poucos uma amizade cresce, mas apesar dessa conexão imediata os garotos não sabem a identidade um do outro.

Em um descuido, Simon deixa seu e-mail aberto e Martin salva todas as conversas entre Blue e Simon e começa a chantageá-lo para não divulgar para a escola a orientação sexual de Simon. Em troca de manter a sua privacidade, Simon deveria ajudar Martin a conseguir se enturmar com Abby, uma das amigas do protagonista. Com amor, Simon é uma leitura agradável e que mostra ao leitor as dificuldades do amadurecimento fazendo com que ele se identifique com um dos personagens, afinal, todos já passamos ou estão passando pela adolescência e toda essa fase de descoberta. 


"É estranho, porque os e-mails de Blue eram algo destacado da minha vida real. Mas, agora, talvez sejam minha vida. Em todos os outros momentos parece que estou me arrastando por um sonho." Página 110



Becky Albertalli criou uma história envolvente e acredito que a maioria dos leitores ficam desesperados quando Martin começa ameaçar Simon por ser quem ele é. Blue, por outro lado, é apaixonante e desde que os e-mails começaram a ser trocados já fiquei apaixonada pelo casal. Apesar de todo o drama que se tornou a vida de Simon, a leitura é leve e bastante fluida. 

Com relação à edição, gostei do relançamento da editora com as informações do filme e apesar de ter conferido o filme antes, aproveitei bastante a leitura e pude relembrar a história de Simon e reviver todos os seus dramas. A diagramação e revisão estão ótimas, fazendo com que o leitor possa aproveitar a leitura em sua totalidade. Sem dúvidas este é um livro que deveria ser obrigatório em todas as escolas para que os adolescentes possam adquirir mais empatia e não criem confusão com seus colegas por questões que não poderão ser modificadas. 


"Acho que estou ficando meio cansado de tudo. Estou tentando não deixar que me afete. Eu não devia ligar se pessoas idiotas me chamam de uma palavra idiota e não devia ligar para o que as pessoas pensam de mim. Mas sempre ligo." Página 194


2 comentários:

  1. Aaaah... Terminei ontem e estou apaixonada pelo Simon e pelo Blue, que amor de livro.
    Encantada!
    A escrita da Becky é muito leve, e achei incrível ela abordar padrão e homossexualismo.

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Rafa!
    Bom ver que o livro foge dos clichês e entendi perfeitamente o sentido que o autor quis dar as escolhas de Simon, ele apenas queria ser conhecido por quem é de verdade e não por um estigma em relação a sua opção sexual.
    Desejo um ótimo final de semana!
    “Um homem pode ser destruído, mas não derrotado.” (Ernest Hemingway)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA MAIO – 4 livros + vários kits, 5 ganhadores, participem!
    BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir

Quer deixar uma dica ou sugestão? Comente e me deixe feliz.

Para que eu possa visitar seu blog deixe um comentário com o nome do blog e eu entrarei em seu perfil. Ou use a opção Nome/URL. Por favor não coloquem links nos comentários porque o blogger considera como spam.

Agradeço a visita!