Resenha: A garota do penhasco - Lucinda Riley

Editora: Novo Conceito
Ano: 2013
Páginas: 528


A Garota do Penhasco é um romance que enreda o leitor através de vários fios: a história de Grania Ryan e sua querida Aurora Devonshire, a garota do penhasco, nos fala sobre mudança de vida. A história das famílias Ryan e Lisle é um lindo conto sobre um século de mal-entendidos e rancor entre inimigos que se acreditam enganados por falcatruas financeiras. O caso de amor entre Grania Ryan e Lawrence Lisle comove por sua delicadeza e força vertiginosa que culmina em imensa tristeza. Mas, sobretudo, A Garota do Penhasco é um livro que mostra como é possível encontrar uma finalidade, um propósito, quando todas as esperanças parecem perdidas.




Classificação:     




" - Mãe, eu estou ajudando a divertir uma garotinha solitária, não estou me mudando para lá. Qual é o problema?
- Já lhe disse antes e vou dizer de novo: aquela família é um problema para esta. E eu diria que você já tem problemas suficientes na sua vida sem precisar acrescentar os deles. 
- Ora, tenha dó, mãe. Aurora é uma criança sem mãe que acabou de se mudar de volta para cá e não conhece ninguém. Ela está sozinha! - disse Grania em exasperação. - Até mais tarde.
Grania saiu batendo a porta atrás de si e Kathleen suspirou.
- Sim - sussurrou para si mesma -, e você é uma mãe sem filha." Página 53



A garota do penhasco me conquistou logo no início, pois vi que na história a dança tinha parte fundamental na construção do enredo. De tanto que perturbei a Ju do Blog Literata ela me mandou de presente, aqui fica a minha gratidão, carinho e amor para a Ju *.*

Tudo começa, ou volta a acontecer, quando Grania Ryan volta para a casa de seus pais na Irlanda. Nos primeiros dias ela conhece uma garotinha no penhasco perto da fazenda, mas a mulher não sabia que suas famílias são ligadas a gerações. Aurora Devonshire perdeu sua mãe muito cedo e seu pai quase não fica com a garotinha, pois sofre de dores de cabeça frequentes. Um dia Grania encontra Aurora na beira do penhasco e consegue tirá-la de perigo e desde então a vida das duas começa a se entrelaçar. 

Grania saiu de Nova York depois de perder o filho que esperava de seu companheiro, Matt. Quando chega na casa de seus pais, não conta tudo o que a levou abandonar Matt, mas eles sabem que o problema é bem maior do que a perda de seu filho. Abalada, Grania começa a desenvolver um instinto maternal por Aurora e decide (por insistência da menina) ensiná-la a fazer esculturas. Quando Alexander, pai de Aurora, conhece Grania em uma de suas idas a Casa de Dunworley, percebe que ela seria a pessoa ideal para cuidar de sua filha enquanto ele estivesse fora. Por sua vez, Kathleen Ryan não apoia a decisão da filha de ir ficar de babá da menina, pois a vida de muitas pessoas já foi prejudicada por causa da família Lisle. 

A ligação entre Grania e Aurora começa a ficar mais forte e Kathleen decide dividir com a filha as histórias de um passado conturbado para ambas as famílias e tudo começou com a pequena Anna, uma garotinha órfã que tinha o sonho de se tornar uma bailarina famosa. Quando Aurora desenvolve a mesma paixão pela dança, Kathleen acredita que a história está para se repetir e sua filha será a maior prejudicada. 

O livro é narrado em terceira pessoa, mas existem algumas passagens narradas por Aurora em primeira pessoa. A construção da história ficou impecável, com exceção do final que não ficou muito claro para mim (não posso dizer o que foi, pois será um spoiler gigante). A capa é muito bonita e mostra aos leitores a essência do livro, mas ficou faltando um pouco de revisão incluindo em uma frase da capa - O caso de amor entre Grania Ryan e Lawrence Lisle - Os personagens não tiveram qualquer interação na trama e são de séculos diferentes. Esse é o primeiro livro da editora em que a falta de revisão atrapalha, o que me deixou surpresa já que a revisão de todas as obras que li publicadas pela Editora Novo Conceito contam com uma revisão impecável.  

A garota do penhasco foi o primeiro livro da Lucinda Riley que li, apesar de ter em casa A casa das orquídeas, e fiquei encantada com a obra que está na minha lista de favoritos e melhores livros lidos em 2013. Sem dúvidas o livro consegue passar ao leitor toda a complexidade das relações entre a família Lisle e Ryan, além de ter me feito chorar diversas vezes durante a leitura. Recomendo A garota do penhasco para todos que querem viajar em uma trama envolvente e misteriosa ao longo das gerações, para então serem surpreendidos com um final que poderá trazer um rio de lágrimas à tona. Preparem-se para uma leitura inesquecível. 


"Pela primeira vez, Grania permitiu que as lágrimas aflorassem e corressem por sua face. Estava chorando pela vida frágil e minúscula que se perdera. E, quando se aconchegou melhor para tentar dormir, horas mais tarde, sentiu-se mais calma, como se algo tivesse se partido e depois se recomposto em seu íntimo." Página 291


2 comentários:

  1. Oi Rafaella :)
    Nossa, que enredo, hein?
    Eu venho desejado esse livro desde o seu lançamento simplesmente pela capa linda de morrer e o título. Não havia corrido atrás de resenhas da obra, pois queria me surpreender com o enredo. Entretanto, não resisti e tive que ler a sua resenha, Rafaella.
    A Aurora parece sofrer bastante. Ela não é uma criança que teve uma infância "normal" é fico feliz pela Grania ter um afeto muito grande pela garotinha.
    Eu gosto bastante de livros assim com um enredo normal e real. Que nos possibilita pensar que isso pode ter acontecido com alguém numa vez durante esse séculos da humanidade.
    Tenho o e-book do livro, mas fico receoso em ler pelo note. Desejo lê-lo em livro impresso. Espero conseguir ano que vem.
    Parabéns pela linda resenha, Rafaella. Continue assim. Bjs :*

    http://peregrinodanoite.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oi Rafaella :)
    Nossa, que enredo, hein?
    Eu venho desejado esse livro desde o seu lançamento simplesmente pela capa linda de morrer e o título. Não havia corrido atrás de resenhas da obra, pois queria me surpreender com o enredo. Entretanto, não resisti e tive que ler a sua resenha, Rafaella.
    A Aurora parece sofrer bastante. Ela não é uma criança que teve uma infância "normal" é fico feliz pela Grania ter um afeto muito grande pela garotinha.
    Eu gosto bastante de livros assim com um enredo normal e real. Que nos possibilita pensar que isso pode ter acontecido com alguém numa vez durante esse séculos da humanidade.
    Tenho o e-book do livro, mas fico receoso em ler pelo note. Desejo lê-lo em livro impresso. Espero conseguir ano que vem.
    Parabéns pela linda resenha, Rafaella. Continue assim. Bjs :*

    http://peregrinodanoite.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Quer deixar uma dica ou sugestão? Comente e me deixe feliz.

Para que eu possa visitar seu blog deixe um comentário com o nome do blog e eu entrarei em seu perfil. Ou use a opção Nome/URL. Por favor não coloquem links nos comentários porque o blogger considera como spam.

Agradeço a visita!