Resenha: Férias na prisão - Lucimar Mutarelli

Editora: Prumo
Ano: 2013
Páginas: 144


  Segundo romance de Lucimar Mutarelli, autora do elogiado Entre o trem e a plataforma, Férias na prisão conta a história das amigas Rose e Alana. Recém-formadas no ensino médio, elas decidem passar três meses em uma das maiores instituições correcionais do país. As “férias” fazem parte de um projeto social para que jovens conheçam de perto a vida dos detentos e, assim, possam aprender a não cometer os mesmos erros que eles.
  As meninas, que se prepararam para viver uma aventura inesquecível, na verdade estão prestes a receber a mais assustadora lição sobre o mundo dos adultos.
  Crime, sedução, crueldade e demência se misturam no intenso cotidiano dos aprisionados e daqueles que aprisionam, em um texto em que se juntam o senso de humor e o espírito crítico.

Classificação:   

"O pai falou que poderia ser um bom aprendizado. Três meses privada da segurança de casa e da cobrança extrema da mãe poderiam servir para que Rose decidisse o que realmente queria fazer na vida." Página 33

Rose e Alana são duas jovens, muito amigas, que acabaram de terminar o ensino médio e não sabem o que fazer da vida depois disso. Rose mora em um lar despedaçado pela morte prematura de sua irmã mais velha, já Alana mora com seu irmão Rodrigo que faz tudo por ela. Quando se deparam com um programa conhecido como Férias na Prisão, as jovens ficam encantadas com a nova experiência e acabam se inscrevendo motivadas pelas fotos e propagandas da "viagem". Ambas acreditavam que iriam para uma prisão apenas para conhecer e usar a academia que estava disponível para as detentas, mas quando chegam lá descobrem que sua passagem não seria assim tão fácil.

Logo na revista Alana já começa a causar problemas, pois acaba provocando o guarda Lins e este acaba ficando seduzido por ela. O problema é que Lins tem um caso com Ruth, a coordenadora do programa que agora faz de tudo para tornar os dias de Alana na prisão um inferno. Por outro lado, Rose começa a fazer amizade com as detentas e guarda tudo em anotações feitas para mostrar para sua família após os três meses de reclusão.

Quando li a sinopse e solicitei Férias na Prisão para a Editora Prumo acreditei que se tratava de um livro juvenil, mas quando as páginas foram passando e algumas situações foram sendo narradas mudei completamente de opinião. O livro é recheado de violência, sexo e drogas o que não seria indicado para adolescentes, como eu havia previsto que seria. Lucimar Mutarelli usa uma linguagem bastante  comum entre os jovens, com muitos palavrões e como já falei na resenha dos livros da trilogia Cinquenta tons de cinza, este tipo de linguajar não me agrada. A história que a autora criou é inovadora (o programa na prisão), mas ela acabou tornando a narração confusa e não explorou a ida das garotas para a prisão como aprendizado, mas sim apresentou as consequências desta viagem para um complexo de mulheres que estão pagando por seus crimes, em sua maioria por assassinato. A diagramação do livro é excelente e a capa é bonita, mas como apresentei anteriormente Férias na prisão acabou se mostrando um livro regular e não me cativou. O final é surpreendente, não posso negar, mas a narração ficou um tanto confusa.

"Tudo que entra é filtrado. Quem entra, como e por quê. Os selecionados de cada unidade. Tudo estava previsto. 
O destino de Rose e Alana. É cada um que define o seu destino. São as escolhas que definem quem elas são, o que elas foram e o lugar em que foram parar." Página 121

11 comentários:

  1. Estou alegre por encontrar blogs como o seu, ao ler algumas coisas,
    reparei que tem aqui um bom blog, feito com carinho,
    Posso dizer que gostei do que li e desde já quero dar-lhe os parabéns,
    decerto que virei aqui mais vezes.
    Sou António Batalha.
    Que lhe deseja muitas felicidade e saúde em toda a sua casa.
    PS.Se desejar visite O Peregrino E Servo, e se o desejar
    siga, mas só se gostar, eu vou retribuir seguindo também o seu.

    ResponderExcluir
  2. Achei a sinopse até bem interessante e inovadora, mas lendo a resenha, percebi que o desenvolvimento da história e a narrativa deixaram muito a desejar. Eu também não costumo gostar de livros com o linguajar que você descreveu, então provavelmente não iria gostar da leitura. É um livro cujo o enredo tinha tudo pra dar uma boa história, mas lendo a resenha percebe-se que não passa de um livro regular, então certamente não o lerei. ;D

    ResponderExcluir
  3. Ah, não gosto de livros confusos!
    Quando li a sinopse pensei que a história tomaria um rumo, mas pela sua resenha, a reação foi contrária. Também não gosto de narrativas repletas de palavras chulas, então... Não acho viável eu ler, algum dia, um livro parecido. E a sua nota para a obra deixou bem claro que se decepcionou bastante.

    ResponderExcluir
  4. Já existe um programa de televisão, passa no A&E se não me engano,que funciona assim também, só que os adolescentes passam só um dia na prisão. Eles pegam adolescentes que dão trabalho (de todo o tipo), que cometem crimes e levam à prisão pra eles conhecerem como é a vida de alguém que fica preso, e é muito legal o programa!
    E o livro, cara, parece ser bom demais!

    ResponderExcluir
  5. Gostei da proposta deste livro e fiquei me imaginado como seria algo assim aqui no Brasil. Não sei porque, mas acredito que não sairia muita coisa que prestasse...
    Até me interessei pelo livro, mas não consigo engolir narrações confusas. Não tenho nada contra o linguajar, mas a narrativa me incomodaria.

    ResponderExcluir
  6. Eu lembrei de um programa de televisão que passa na tv a cabo, e realmente é muito forte quando a isso que acontece.
    Se for o livro da série de tv eu com certeza vou querer ler, aquele programa é muito bom! Espero me surpreender com o final e com o livro todo!

    ResponderExcluir
  7. Eu nem gosto nem disgosto de livros que tenham esse linguajar meio vulgar, cheio de palavrões. Mas pelo que entendi do livro, ele é necessário para que seja bem real ao que acontece na história. Fiquei com vontade de ler por causa disso...

    ResponderExcluir
  8. Não tinha ouvido falar do livro ainda =/ Sério... nem sabia da existência dele.
    Bom, uma pena que o livro não foi de total agrado.
    É um pouco chato mesmo o livro possuir muitos palavrões. As vezes eu leio, uns eu gosto outros não. Apesar da temática parecer interessante, não me agradou =/

    ResponderExcluir
  9. Nossa, o livro pode até ser razoável por causa do linguajar, mas gostei da sinopse e fiquei interessada na leitura.
    Acho que é bem interessante o assunto abordado.
    Me pergunto como alguém se empolga para ir passar umas férias na prisão.

    http://lisos-somos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. O livro conta a história da luxúria e futilidade de Alana e da inocência e gratidão de Rose. Ambas amigas se surpreendem com as situações que encontram na prisão e também com suas própria atitudes, as escolhas que fazem seguindo seus desejos e instintos.
    Achei o linguajar totalmente aceitável, natural e realístico para descrever com exatidão as internas com quem Rose e Alana conviverão, por mais tempo até do que gostariam.
    O livro é incrível e surpreendente. Recomendo.

    ResponderExcluir
  11. O livro conta a história da luxúria e futilidade de Alana e da inocência e gratidão de Rose. Ambas amigas se surpreendem com as situações que encontram na prisão e também com suas própria atitudes, as escolhas que fazem seguindo seus desejos e instintos.
    Achei o linguajar totalmente aceitável, natural e realístico para descrever com exatidão as internas com quem Rose e Alana conviverão, por mais tempo até do que gostariam.
    O livro é incrível e surpreendente. Recomendo.

    ResponderExcluir

Quer deixar uma dica ou sugestão? Comente e me deixe feliz.

Para que eu possa visitar seu blog deixe um comentário com o nome do blog e eu entrarei em seu perfil. Ou use a opção Nome/URL. Por favor não coloquem links nos comentários porque o blogger considera como spam.

Agradeço a visita!